Biodiversidade é a diversidade da natureza viva!

 

A espécie humana depende da biodiversidade para a sua sobrevivência. Todos os seres vivos são interdependentes, formando uma rede intrínseca de relações, como alimentação, estabilidade do clima, proteção mútua, reciprocidade. E, o homem enquanto ser vivo animal, faz parte dessa teia de relações.

Para entender o que é biodiversidade, devemos considerar o termo em dois níveis diferentes: todas as formas de vida, assim como todos os genes contidos em cada indivíduo e, as inter-relações (relações entre as espécies), ou ecossistemas, quando a existência de uma espécie afeta diretamente/indiretamente todas as outras.

A biodiversidade ou diversidade biológica (grego bios, vida) é a variabilidade entre todos os reinos de seres vivos: plantas, animais e micro-organismos (Fungi, Monera, Protista e Vírus) e, refere-se, tanto ao número (riqueza) das diferentes categorias biológicas quanto à abundância relativa (equitatividade) destas categorias. Essa variabilidade aparece apenas como resultado da natureza em si, sem interferência humana, e, pode variar de acordo com as diferentes regiões ecológicas, sendo maior nas regiões tropicais do que nos climas temperados.  Refere-se à totalidade dos recursos vivos, ou biológicos, e dos recursos genéticos e seus componentes.

Não se sabe quantas espécies de seres vivos existem no mundo. As estimativas variam entre 10 e 50 milhões e, destas, somente cerca de 2 milhões de espécies estão classificadas e nomeadas. Entre os especialistas, o Brasil é considerado o país da “megadiversidade”, possuindo 1/5 da biodiversidade mundial, com 50.000 espécies de plantas, 5.000 espécies de vertebrados, 10 a 15 milhões de insetos e milhões de micro-organismos.

2

http://pinstake.com/biodiversidadebrasileira/

Foto: Zé Edu Camargo - Rabo-de-arame ((Pipra filicauda)

Foto: Zé Edu Camargo Rabo-de-arame ((Pipra filicauda)

Onça-pintada (Panthera onça) - Foto: Reprodução

Onça-pintada (Panthera onça) Foto: Reprodução

Perereca (Phyllodytes kautskyi) – Foto: João Luiz Gasparin

Ipê-amarelo (Tabebuia chrysotricha)

Ipê-amarelo (Tabebuia chrysotricha)

www//dicasfree.com/flora-brasileira-em-extincao/

www//dicasfree.com/flora-brasileira-em-extincao/

Figura 1 Exemplos de biomas da diversidade brasileira e de sua flora e fauna. Cerca de 20% das espécies conhecidas no mundo estão no Brasil.

A biodiversidade possui três grandes níveis:

1-  DIVERSIDADE GENÉTICA – os indivíduos de uma mesma espécie não são geneticamente idênticos entre si, o que os tornam únicos e exclusivos.

2- DIVERSIDADE ORGÂNICA ou filogenética – os indivíduos são agrupados de acordo sua história evolutiva, comum em espécies. Possuir a mesma história evolutiva faz com que cada espécie possua características únicas que não são compartilhadas com outros seres vivos.

3- DIVERSIDADE ECOLÓGICA – As populações da mesma espécie e de espécies diferentes interagem entre si formando comunidades; comunidades interagem com o ambiente formando ecossistemas, que interagem entre si formando paisagens, que formam os biomas: desertos, florestas, oceanos. Cada um deles possui vários tipos de ecossistemas, os quais possuem espécies únicas.

A biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza por ser responsável pelo equilíbrio e pela estabilidade dos ecossistemas. É fonte de imenso potencial econômico, pois é a base das atividades agrícolas, pecuárias, pesqueiras, florestais, indústria da biotecnologia (remédios, cosméticos, enzimas industriais, hormônios, sementes agrícolas). Possui valor intrínseco, valor ecológico, valor genético, valor social, valor econômico, valor científico, valor educacional, valor cultural, valor recreativo…

A perda da biodiversidade envolve aspectos sociais, econômicos, culturais e científicos. A situação é particularmente grave na região tropical. Populações humanas crescentes e pressões econômicas estão levando a uma ampla conversão das florestas tropicais em um mosaico de habitats alterados por ação humana. Como um exemplo, a Mata Atlântica, hoje, está reduzida a menos de 10% da vegetação original.

8 9

http://jornalmaisnoticias.com.br/ibge-divulga-dados-alarmentes-sobre-o-aumento-do-desmatamento-no-brasil/

Figura 2 – O desmatamento da Mata Atlântica começou no século XVI com a extração do Pau-brasil.

Os principais processos responsáveis pela perda da biodiversidade são:
*Perda e fragmentação dos habitats;
*Introdução de espécies e doenças exóticas;
*Exploração excessiva de espécies de plantas e de animais;
*Uso de híbridos e monoculturas na agroindústria e nos programas de reflorestamento;
*Contaminação do solo, água e atmosfera por poluentes;
*Mudanças climáticas.

10

Foto: foto: Iracy Lea Pecora Caramujo-gigante africano (Achatina fulica)

11

http://pt.wikipedia.org/wiki/Esp%C3%A9cie_introduzida Pardal-doméstico (Passer domesticus)

FONTES:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Biodiversidade

http://marte.museu-goeldi.br/marcioayres/index.php?option=com_content&view=article&id=9&Itemid=10

http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Seresvivos/Ciencias/biodiversidade.php

http://viajeaqui.abril.com.br/nationalgeographic/blog/brasildasaves%E2%80%8Bparque-do-virua-

http://pinstake.com/biodiversidadebrasileira/http:%7C%7Cprofotos%5Ecom%5Ebr%COlhar_Ambiental%7CMeio%2

http://www.dicasfree.com/flora-brasileira-em-extincao/#ixzz3a7qt7rZn

http://www.gentequeeduca.org.br/planos-de-aula/de-especie-exotica-praga-invasora