No Brasil, acontecem mais de 140 mil divórcios por ano.

Estamos na Semana da Família. O casamento se constitui no mais arrojado e ambicioso projeto que duas pessoas podem assumir. Vinicius de Morais garantia que a vida é a arte dos encontros. A prática mostra que muitos desses encontros acabam em desencontros. No Brasil, acontecem mais de 140 mil divórcios por ano.

O CASAMENTO cristão foi elevado à dignidade de sacramento. Trata-se de arquitetura humana e divina. Todos os cuidados devem ser assumidos para que o projeto dê certo. E este projeto desenvolve-se em três tempos: antes, durante e depois. Por vezes são cometidos equívocos em relação ao antes e depois, não respeitando as etapas. Outro equívoco é apostar tudo no durante, que dura pouco mais de meio-dia.

O ANTES do casamento deve ter razoável duração. É o tempo de organizar o projeto a dois é tentar construir comunhão de vida. É tempo de deixar-se conhecer e conhecer o outro. É tempo de educação mútua. Não se trata apenas de sonhar, mas entram questões muito práticas: onde vamos morar? Qual será nosso orçamento? Quando e quantos filhos planejamos ter? É interessante também esboçar o tipo de relacionamento do casal com a família de cada um.

QUANDO o projeto está maduro, vem o segundo momento. É o durante. É a realização, tão sonhada do casamento. É meio dia de sonhos e, em alguns casos, de representações e encenações. Cada pequeno detalhe é longamente preparado. Trata-se de dizer sim ao projeto sonhado. É um momento fugidio, passageiro, mas quase sempre, eternizado num vídeo ou em fotografias.

OS CONVIDADOS vão embora, a festa termina, as luzes se apagam e começa o terceiro tempo, que não deve terminar nunca. É o depois que deve transfigurar o cotidiano. É a hora de implementar as linhas mestras do projeto. É a hora de transformar o sonho em realidade. É a hora da rotina, que precisa ser transformada em eterna novidade.

O EVANGELHO lembra duas possibilidades: construir sobre a areia ou sobre a rocha (Mt 7,24). A areia lembra o comodismo, as aparências, o caminho fácil. Construir sobre a rocha implica em continuar conversando, um cuidando do outro. Implica na necessidade de perdoar e pedir perdão. Implica em parar e perguntar-se: como vamos educar nossos filhos? Quando isso acontece pode se afirma: casaram e foram felizes para sempre. É isso que Deus quer.

+ Itamar Vian
Arcebispo Emérito
di.vianfs@ig.com.br