No famoso cemitério de Paris, o Père Lachaise, há uma escultura impressionante: o Monumento à Morte. Uma porta entreaberta, atrai a todos. Alguns deixam-se arrastar, impotentes, pela Porta da Morte. Outros, sem sentido, jazem por terra, outros ainda, com desespero, tentam defender-se. Inutilmente.

Em meio àquela confusão, dois homens ali se encontram, cabeças erguidas, rostos serenos, indiferentes ao pavor e à morte. Seus pés repousam sobre um túmulo vazio, a lousa removida e nesta sepultura a inscrição: ELE NÃO ESTÁ AQUI. A obra é a ilustração do Evangelho de Lucas, quando os Anjos, no dia de Páscoa, proclamam que Jesus ressuscitou.

Essa é a página mais maravilhosa da História. Jesus armou a sua tenda entre nós e anunciou a libertação para todos. Os pobres, os humildes, os desesperançados, os pecadores foram convocados a ouvir a Boa Nova. Mas, nem suas palavras maravilhosas, nem sua doutrina, nem mesmo seus milagres impressionantes foram suficientes. Seus inimigos construíram uma impressionante rede de intrigas. E o profeta da Galiléia foi preso, humilhado e morto na cruz.

Mas, como tinha prometido, três dias depois, Jesus volta á vida. A morte, conseqüência e símbolo do pecado, devolve sua presa. Ele não está aqui. Ressuscitou. E porque ressuscitou, sua vida, sua palavra e sua doutrina permanecem para sempre entre nós. Ele começa uma nova História, não mais uma história de esperanças frustradas, mas a definitiva História de fraternidade, justiça e paz.

O túmulo está vazio. Vazio de morte, de sofrimentos, de violências, de discórdias, de misérias humanas. Ele está vivo no meio de nós “todos os dias, até o fim dos tempos” (Mt 28,20). Só Ele preencherá o vazio do nosso túmulo, de nosso coração, de nossa vida, de nossa família.

Cristo ressuscitou! Não existem motivos para desesperar, nem mesmo quando contemplamos perplexos e confusos a história de ódio que nos rodeia e até nossa própria história. Uma vez que Jesus ressuscitou, o mal não mais terá a última palavra. A palavra definitiva é da vida, e não da morte. O bem venceu o mal. A alegria venceu a tristeza. Por isso, é possível dizer: Feliz Páscoa!

Dom Itamar Vian
Arcebispo Emérito
di.vianfsd@ig.com.br