Muitas autoridades preocupadas com o bem do povo vêm chamando atenção sobre os graves detrimentos morais que o Projeto acarreta, manifestando sua decidida posição contrária.

Está tramitando no Congresso Nacional o Projeto que propõe a abertura e legalização de Cassinos no país. Muitas autoridades preocupadas com o bem do povo vêm chamando atenção sobre os graves detrimentos morais que o Projeto acarreta, manifestando sua decidida posição contrária.

LEGALIZAR os cassinos – os jogos de azar – significa fomentar a sorte e o ganho fácil como ideal de vida, em vez do primado do trabalho honesto e perseverante. Rompe-se a harmonia doméstica por causa da vida desregrada e pela inquietação que se abate sobre o lar, diante da atração incoercível que domina, aos poucos, os jogadores, com perigo de dilapidar, de repente, todo o patrimônio familiar.

SOFRE a educação dos filhos diante do mau exemplo dos pais e mães, cada vez mais ausentes do lar, atingidos na própria autoridade. Quem não conhece casos de desespero dos que perdem tudo nas apostas, acarretando tal fato desequilíbrio psíquico e até tentativa de suicídio?

O AMBIENTE de cassinos é sempre deletério. Favorece a vida noturna, o consumo de bebidas alcoólicas e, não raro, abre as portas para a prostituição com inevitável dano para a fidelidade conjugal e a instituição familiar. Em tais recintos será difícil evitar a lavagem de dinheiro ilicitamente obtido, a corrupção, o narcotráfico e a formação de quadrilhas propensas ao crime, como acontece em tantos países.

A QUEM interessa a abertura de casas de jogo? Aqueles somente, que as pretendem explorar, em detrimento da sociedade brasileira e que, por isso, promovem pressões sobre políticos, empresários e formadores de opinião pública.

O CRISTÃO diante de Deus, tem o dever de consciência de expressar aos Senadores e Deputados a esperança de que seja definitivamente arquivado qualquer projeto que pretenda aprovar a abertura de cassinos. O motivo é de ordem ética. Há razões conhecidas e irrefutáveis. As leis devem ter um valor pedagógico e não podem confundir as consciências induzindo ao erro e permitindo o que prejudica a pessoa, lesando a instituição familiar e a sociedade.

QUE FUTURO queremos para o Brasil? Pedimos a Deus que, para o bem do Brasil e especialmente da nossa juventude, nos preserve da miséria moral e ilumine nossos deputados e senadores na rejeição deste Projeto de legalização de Jogos de Azar no Brasil.

+ Itamar Vian
Arcebispo Emérito
di.vianfs@ig.com.br