Por Dom Itamar Vian

A carta Encíclica “Laudato Si” ( Louvado Seja) do Papa Francisco sobre o cuidado da casa comum, constitui um apelo urgente para a humanidade. Trata-se de uma mensagem fundamental, de um forte apelo para assumirmos as nossas responsabilidades diante dos grandes problemas ambientais e sociais que afligem a sociedade.

A CARTA é dirigida a todas as pessoas empenhadas e que tem até dever moral de cuidar da nossa casa comum. Esse é o tipo de ensinamento mais importante do Papa, porque quando escreve uma Encíclica, (palavra grega que significa carta dirigida a muitas pessoas) quer dizer que está concentrando nela o ensinamento oficial da Igreja. Ela resgata uma postura verdadeiramente cristã na relação entre o ser humano e o meio ambiente, nossa “casa comum”.

O PAPA dá um reforço significativo á corrente da sociedade que, há muito tempo, grita na tentativa de frear a exploração dos recursos naturais e garantir a sobrevivência do planeta e das futuras gerações, mas cuja voz acaba sempre sufocada, em nome do progresso.

PODE-SE chamar de progresso o consumismo desenfreado que, cada vez mais, tem feito a Terra parecer-se com um imenso depósito de lixo? É coerente chamar de progresso um modelo de desenvolvimento que, em vez de minimizar, evidencia as diferenças sociais? Que progresso é esse que submete muitas pessoas á miséria degradante enquanto outras deixam atrás de si um rastro de desperdício?

O GRANDE desafio é fazer uma “revolução cultural”, que é a mudança profunda dentro de cada pessoa e, ao mesmo tempo, deve acontecer nas relações sociais e nas relações com o ambiente. O ser humano, essencialmente relacional, constitui-se numa tríplice relação: com Deus, com o semelhante e com a natureza. Não haverá uma nova relação com a natureza, sem o ser humano novo.

O FUNDAMENTAL é chamar as pessoas para o diálogo. O convite do Papa é um convite sério. A vida está ameaçada, particularmente a vida dos pobres. Se nós deixamos os pobres, não estamos com eles e não gritamos as dores deles junto com as dores da mãe Terra, não somos bons seguidores de Jesus Cristo. São Francisco de Assis, patrono da natureza, protegei nosso meio ambiente e abençoai os que o defendem.

+ Itamar Vian
Arcebispo Metropolitano
di.vianfs@ig.com.br