Foi apresentada nesta terça-feira 15 de Dezembro a Mensagem do Papa Francisco para o 49.º Dia Mundial da Paz que se celebra no próximo dia 1 de Janeiro de 2016. Nesta Mensagem o Santo Padre convida a humanidade a manter a esperança depois de um ano marcado, “do princípio ao fim, por guerras e atos terroristas”.O documento tem como título ‘Vence a indiferença e conquista a paz’. O Papa valoriza aspectos positivos deste ano de 2015, em particular, a Cimeira do Clima de Paris, a COP21, que procurou “novos caminhos para enfrentar as alterações climáticas e salvaguardar o bem-estar da terra”

O Papa Francisco fala também sobre a Cimeira de Adis-Abeba, para arrecadação de fundos destinados ao desenvolvimento sustentável do mundo, e à adoção, por parte das Nações Unidas, da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.
No início do documento, o Santo Padre manifesta a “convicção” de que Deus “não abandona a humanidade” e recorda na sua mensagem as pessoas frágeis da sociedade como os reclusos, migrantes e os desempregados.

Veja aqui um trecho da mensagem do Papa Francisco para a Celebração do Dia Mundial da Paz, 1 de Janeiro de 2016:

“Variadas são as razões para crer na capacidade que a humanidade tem de agir, conjunta e solidariamente, reconhecendo a própria interligação e interdependência e tendo a peito os membros mais frágeis e a salvaguarda do bem comum. Esta atitude de solidária corresponsabilidade está na raiz da vocação fundamental à fraternidade e à vida comum. A dignidade e as relações interpessoais constituem-nos como seres humanos, queridos por Deus à sua imagem e semelhança. Como criaturas dotadas de inalienável dignidade, existimos relacionando-nos com os nossos irmãos e irmãs, pelos quais somos responsáveis e com os quais agimos solidariamente. Fora desta relação, passaríamos a ser menos humanos. É por isso mesmo que a indiferença constitui uma ameaça para a família humana. No limiar dum novo ano, quero convidar a todos para que reconheçam este facto a fim de se vencer a indiferença e conquistar a paz.”

Fonte: Rádio Vaticano