Uma pequena história:

Um navio chamado Brasil está atravessando uma grande tempestade em alto-mar e um naufrágio pode ser fatal. Todos os seus passageiros estão com medo, porque o navio está sem comandante.

No meio de todos os passageiros, surgiram 13 pessoas se candidatando para assumir o posto de comandante e então criaram uma regra: se não houver um que tenha a maioria dos votos, ou seja, 50% mais um, vão ficar os dois mais votados para escolhermos em seguida qual dos dois é o melhor para comandar. E assim ocorreu, não aconteceu a maioria dos votos, e os passageiros tiveram que selecionar os dois mais votados para uma nova eleição.

Os passageiros começaram a ficar preocupados, porque a tempestade era tamanha que se a escolha fosse errada, todo o navio poderia naufragar, e aí não sobraria ninguém.

Os dois candidatos começaram a apresentar suas propostas de como melhor comandar o navio e os passageiros, atônitos com a tempestade e procurando entender as propostas de cada um, foram procurando fazer as devidas comparações.
Mas que tempestade é esta? corrupção, desemprego, falta de saúde, educação sem qualidade, falta de ética e o pior: a violência que não para de crescer, pondo em risco os passageiros.

Os dois candidatos começaram a brigar, um se dizendo melhor do que o outro e ainda pedindo apoio dos que haviam perdido a eleição. Os passageiros foram juntos nessa direção, começaram a brigar para convencer uns aos outros de que seu candidato era melhor do que o outro. E o que aconteceu? Resolveram fazer uma pesquisa antes de fazer a eleição final e ambos estavam empatados e dependiam da sorte para alcançar a vitória.

Com esse diagnóstico, aumentou o pânico dos passageiros, porque uma escolha pela sorte poderia ser fatal para todos os que estavam no navio.

As discussões aumentaram e até violência surgia a cada momento entre os passageiros, até entre famílias que lá estavam, porque o que estava por trás disso tudo era um monstro chamado de medo, o gerador da desconfiança, da insegurança e da violência. Quando de repente, um grande raio se manifestou e um grande clarão entrou no navio e todos puderam enxergar que se continuassem as brigas, todos poderiam morrer antes do naufrágio ocorrer.

E aí uma pessoa se levantou e perguntou:
– Por que estamos brigando, se todos aqui querem se salvar?
Um outro comentou:
– Porque não sabemos quais dos dois tem a capacidade de comandar o navio.
E o primeiro disse:
– Então a primeira coisa que temos que fazer é refletirmos juntos, com cuidado, quem será o melhor, sem brigar, afinal todos querem a mesma coisa, evitar o naufrágio.

Um silêncio ensurdecedor tomou conta de todos e aí começaram as reflexões de uma forma mais civilizada, pois todos haviam entendido que o conflito só iria agravar a situação.

Os candidatos começaram a ficar assustados ao ver a tranquilidade dos passageiros, de tal forma que não conseguiam fazer mais campanha para disputar os votos.

Quando de repente um dos passageiros manifesta a seguinte pergunta:
– Se todos aqui queremos salvar o barco, porque todos nós não nos unimos em vez de escolher um ganhador?

Ubuntu!!!

FIM!

Veja esse belo vídeo explicativo sobre o Ubuntu no link: https://www.youtube.com/watch?v=gpIEHRukIfE

• “A palavra Ubuntu possui diversos significados, mas dois deles são os mais citados nos mecanismos de pesquisa, são eles: “Humanidade para os outros” ou “Sou o que sou pelo que nós somos. Ubuntu é uma antiga palavra africana e tem origem na língua Zulu (pertencente ao grupo linguístico bantu) e significa que “uma pessoa é uma pessoa através (por meio) de outras pessoas”.”

“O UBUNTU não significa que uma pessoa não se preocupe com o seu progresso pessoal. A questão é: o meu progresso pessoal está a serviço do progresso da minha comunidade? Isso é o mais importante na vida. E se uma pessoa conseguir viver assim, terá atingido algo muito importante e admirável.” (Nelson Mandela)

Por: Redação do Viva Sustentável